Cálcio não aumenta risco de desenvolver degeneração macular

Adotar uma dieta rica em cálcio ou tomar suplementos de cálcio não parece aumentar o risco de degeneração macular relacionada à idade (DMRI), de acordo com as conclusões de um estudo realizado por cientistas do National Eye Institute (NEI). “A DMRI é uma das principais causas de perda de visão e cegueira entre pessoas com 65 anos ou mais nos Estados Unidos. Os resultados do estudo acabam de ser publicados no JAMA Ophthalmology”, afirma o oftalmologista Virgílio Centurion, diretor do IMO, Instituto de Moléstias Oculares.

Os resultados contradizem um estudo anterior que indicava que altos níveis de cálcio estão associados com o aumento da prevalência de DMRI, mas eles são consistentes com outro sugerindo que o cálcio tem um papel protetor contra a DMRI.

“Embora os resultados sugiram que a alta ingestão de cálcio possa ter um efeito protetor, ainda não sabemos se as pessoas devem alterar sua ingestão de cálcio para prevenir o aparecimento ou a progressão da DMRI. Estas últimas descobertas não fornecem evidências de que há uma necessidade de mudar o manejo da ingestão de cálcio para indivíduos que já estão fazendo a suplementação do mineral para outras indicações médicas”, explica o oftalmologista Juan Caballero, que também integra o corpo clínico do IMO.

Estima-se que 50% dos homens e 65% das mulheres, nos Estados Unidos, usem regularmente, suplementos de cálcio, que, além de contribuir com ossos e dentes fortes, são comumente usados ​​para prevenir e tratar a osteoporose. As quantidades diárias recomendadas de cálcio são de 1.000 mg para adultos com 50 anos ou menos e 1.200 mg para pessoas com mais de 50 anos.

Cálcio x DMRI

Os pesquisadores investigaram a relação entre a ingestão de cálcio, dieta e / ou suplementos e o início da DMRI ou sua progressão. Eles analisaram dados de uma pesquisa anterior, conhecida como o Estudo da Degeneração Macular Relacionada à Idade (AREDS). Esse estudo multicêntrico de referência financiado pelo NEI avaliou uma série de nutrientes e seus efeitos sobre o início e a progressão da DMRI e da catarata.

Concentrando-se especificamente no cálcio, as descobertas mais recentes olharam retrospectivamente para 4.751 participantes do AREDS que foram acompanhados por uma média de 10 anos. Autorrelatos de ingestão de cálcio foram coletados por meio de um questionário perguntando sobre a frequência com que as pessoas ingeriam alimentos ricos em cálcio e se usaram regularmente suplementos de cálcio no último ano. No início do estudo, os participantes não tinham DMRI, DMRI intermediária (grandes depósitos conhecidos como drusas na retina de ambos os olhos) ou DMRI em estágio final em um olho.

“À medida que os participantes envelheceram, surgiu uma associação entre a ingestão de cálcio e a redução do risco de DMRI. As pessoas com a maior ingestão de cálcio de fontes alimentares ou suplementares tiveram um risco menor de desenvolver DMRI em estágio avançado em comparação com aqueles nos grupos de menor ingestão de cálcio”, conta Juan Caballero.

Os pesquisadores enfatizaram que essa sugestão do benefício do cálcio pode ser devido a fatores de confusão. Por exemplo, as pessoas que estão atentas para maximizar sua ingestão de cálcio podem ter mais probabilidade de também adotar uma dieta saudável, fazer exercícios e tomar medicamentos prescritos – e todos esses fatores também podem reduzir o risco de DMRI.

Mais importante ainda, os resultados ressaltam a necessidade de investigações prospectivas para resolver a questão de saber se o cálcio é protetor contra a DMRI e se a ingestão de cálcio afeta o desenvolvimento de drusas ou os dos diferentes subtipos de DMRI.