Cirurgias plásticas oculares

A cirurgia plástica é uma área especializada da Oftalmologia que lida com deformidades e anormalidades das pálpebras, do sistema lacrimal, da órbita  – cavidade óssea que circunda o olho – e de áreas da face anexas aos olhos. O cirurgião oculoplástico é um oftalmologista que tem treinamento adicional em cirurgia plástica de olhos e estruturas anexas, onde se destacam as pálpebras. O IMO realiza diversas cirurgias para correção de problemas relacionados à plástica ocular, dentre eles, destacamos os seguintes:

Bolsas palpebrais

Geralmente, aparecem como resultado de tendências hereditárias ou com a idade. As bolsas são formadas por pele, músculo e gordura que tombam para frente, formando uma proeminência e dando aspecto característico de “bolsa palpebral”.  A blefaroplastia é a cirurgia indicada para corrigir essas deformidades. Ela pode ser reconstrutiva ou estética, dependendo da severidade do problema e do quanto a visão está prejudicada.

Retração

As doenças da tireoide (hipertireoidismo) podem acometer os olhos levando à protusão do globo ocular para fora ou à retração das pálpebras (“olhos arregalados”).

Pálpebras caídas ou ptose palpebral

Ocorrem quando a pálpebra superior ou inferior cai. Quando a queda da pálpebra é acentuada, parte da pupila fica coberta, bloqueando o campo da visão;

Pálpebras que viram para fora (ectrópio)

Quando a margem palpebral everte-se ou seja, vira para fora, causa exposição do globo ocular, irritação e dores constantes.

Pálpebras que viram para dentro (entrópio)

Quando a margem palpebral está invertida (virada para dentro), de tal maneira, que sua pele e os cílios ficam constantemente esfregando no olho, provocando desconforto e irritação. Um olho irritado dessa maneira tende a desenvolver infecções graves e cicatrizes que podem levar à perda permanente da visão ou perfuração do olho.

Tumores

Como qualquer outra parte do corpo, os olhos e órbita estão sujeitos à uma grande variedade de tumores. Todas as pintas, novas ou crescentes, e feridas que não cicatrizam na pálpebra devem ser avaliadas para nos certificarmos de que não se tratam de câncer. Um diagnóstico precoce e a remoção cirúrgica são fundamentais para um bom prognóstico e para evitar cirurgias reconstrutivas palpebrais mais complexas;

Olhos inestésicos

Este é outro capítulo muito importante na cirurgia ocular, que diz respeito à recuperação de olhos atróficos, sub-atróficos, olhos brancos ou mesmo de cavidades sem olhos, que podem ser reconstituídas cirurgicamente através de implantes ou enxertos. O sucesso do procedimento possibilita devolver ao órgão lesado o tamanho e o movimento corretos, além de proporcionar melhora importante da estética facial.