Estresse psicológico e degeneração macular

A degeneração macular relacionada à idade (DMRI), a principal causa de perda de visão entre idosos, nos Estados Unidos, é frequentemente associada ao estresse psicológico. Uma escala de classificação de estresse simples (a Escala de Estresse Percebido) é uma maneira válida e útil para avaliar a conexão entre o estresse e a perda de visão progressiva da DMRI, de acordo com um estudo publicado recentemente.

“Como a DMRI é uma doença inflamatória, os pesquisadores estão estudando o vínculo entre a inflamação, o estresse e os resultados do tratamento da DMRI. O objetivo é entender melhor como o bem-estar geral influencia nos resultados da doença”, afirma o oftalmologista Virgílio Centurion, diretor do IMO, Instituto de Moléstias Oculares.

Medir o estresse pode auxiliar na avaliação da progressão da doença

“Pacientes com perda de visão decorrente da DMRI experimentam altas taxas de estresse, ansiedade e outros problemas de humor, incluindo depressão. Pouco era sabido sobre a relação entre o estresse que os pacientes com DMRI experimentam e a gravidade de sua doença – por exemplo, se o estresse pode fazer com que a DMRI piore ou não”, afirma o oftalmologista Juan Caballero, que também integra o corpo clínico do IMO.

A Escala de Estresse Percebido (PSS) é uma escala de classificação de estresse bem estabelecida, que pode prever marcadores biológicos objetivos de estresse, bem como o risco de doenças relacionadas ao estresse. Em estudos anteriores, o PSS demonstrou ser preditivo de marcadores gerais de inflamação, incluindo proteínas C-reativas. No novo estudo, os pesquisadores estenderam o uso desta pesquisa para determinar quão bem ela mede o estresse percebido em pacientes com perda de visão devido à DMRI.

Cento e trinta e sete pacientes com DMRI, com idade média de 82 anos, completaram o PSS de dez perguntas. Usando uma técnica chamada análise de Rasch, os pesquisadores avaliaram o desempenho do PSS como uma medida de estresse na DMRI. Cerca de metade dos pacientes preencheram o questionário de estresse em um dia em que receberam injeções de anticorpos anti-VEGF – um tratamento que pode retardar relativamente a progressão da forma “úmida” de DMRI.

Nove das dez questões normalmente utilizadas no PSS tiveram bom desempenho com o grupo de pacientes estudados. Para alguns itens do PSS, as respostas diferiram de acordo com a idade do paciente e o nível de acuidade visual.

No entanto, o escore geral do PSS não foi significativamente relacionado ao nível de acuidade visual dos pacientes. A acuidade visual média no melhor olho para este grupo de pacientes com DMRI foi de 20/50, com um alcance de visão de quase normal a muito baixa.

“Um questionário fácil de administrar, como o PSS, é importante para uso em pacientes com DMRI, dado a evidência de taxas aumentadas de sintomas psicológicos nesta população de pacientes. Os pesquisadores observam que as abordagens de redução do estresse – por exemplo, intervenções de atenção plena, ou meditação – levaram a melhores resultados em pacientes com várias condições de saúde”, observa Caballero.

Os pesquisadores também observam que o estresse pode estar associado ao aumento da inflamação e que a DMRI é uma doença inflamatória – aumentando a possibilidade de que o estresse possa contribuir para a progressão da doença. Estudos futuros usando avaliações repetidas com o PSS e a medição de marcadores inflamatórios podem fornecer evidências de como os níveis de estresse percebidos afetam o risco de progressão da DMRI e de perda de visão.