Menor risco de infecção com LASIK do que com lentes de contato

O que provoca menos infecções oculares: o uso das lentes de contato ou a cirurgia de LASIK? Embora tradicionalmente, as lentes de contato fossem consideradas mais seguras do que um procedimento cirúrgico, uma análise feita por oftalmologistas do Hamilton Eye Institute, no Centro de Ciências da Saúde da Universidade do Tennessee, indica o contrário.

Uma análise de meta-dados que compara a incidência de ceratite microbiana, uma infecção da córnea causada por bactérias ou vírus, em portadores de lentes de contato versus pacientes com pós-LASIK (queratomileusis in situ assistido por laser) indica que, ao longo do tempo, as taxas de infecção dos usuários de lentes de contato foram maiores do que as dos pacientes que optaram pelo LASIK para corrigir sua visão. O artigo sobre as descobertas foi publicado no Journal of Cataract & Refractive Surgery.

“A ceratite microbiana é uma complicação relativamente rara associada ao uso de lentes de contato e ao pós-operatório do LASIK. O risco de ceratite microbiana foi semelhante entre os pacientes que usavam lentes de contato, em um ano, em comparação com o LASIK. Ao longo do tempo, o risco de ceratite microbiana foi maior para os usuários de lentes de contato do que para os pacientes que fizeram LASIK, especificamente para os pacientes que faziam uso de lentes de uso prolongado”, afirma o oftalmologista Virgílio Centurion, diretor do IMO, Instituto de Moléstias Oculares.

Para realizar o estudo, a literatura no banco de dados PubMed, entre dezembro de 2014 e julho de 2015 foi analisada. Os resultados mostraram que, após um ano de uso diário das lentes de contato gelatinosas, houve menos casos de ceratite microbiana do que após o LASIK, aproximadamente dois casos por 10.000. Se a cirurgia pode ter risco (único) de infecção, após cinco anos de extrapolação, os usuários de lentes de contato apresentariam 11 casos mais por 10.000 do que aqueles pacientes que fizeram a cirurgia.

“A maioria dos usuários de lentes de contato pode usá-las por décadas, o que significa que eles têm um risco muito maior de infecção da córnea em comparação com o risco dos pacientes que se submetem ao LASIK”, afirma a oftalmologista Meibal Junqueira, que também integra o corpo clínico do IMO.

Segundo a oftalmologista do IMO, a ceratite microbiana pode ser devastadora, uma vez que pode levar à perda de visão. Também implica em altos custos de tratamento. “O uso das lentes de contato tem sido associado como fator de risco no desenvolvimento da condição. Fatores, incluindo higiene, tipo de lente e histórico de uso, contribuem para o risco. De acordo com a análise, aproximadamente 38 milhões de usuários de lentes de contato, nos Estados Unidos, representaram cerca de 1 milhão de visitas clínicas relacionadas à ceratite microbiana a um custo de cerca de US $ 174,9 milhões, em 2010”, diz a médica.

As lentes de contato apresentam um risco real de infecção. “Em nossa experiência com infecções de lentes de contato, alguns pacientes perderam a visão e necessitaram de um transplante de córnea ou até mesmo perderam o olho. Há casos em que o LASIK poderia ter impedido essa perda de visão”, conta Meibal Junqueira.

Acredita-se que esta seja a primeira meta-análise comparando as taxas de ceratite microbiana em usuários de lentes de contato com as taxas de pacientes que fizeram a cirurgia LASIK. “É difícil comparar as complicações do uso de lentes de contato com as complicações do LASIK, porque a taxa de complicações de ambos é rara, mas a análise mostra que a taxa de infecção é maior com o uso de lentes de contato comparada ao LASIK”, diz a oftalmologista do IMO.

Mais estudos são necessários para se concentrar em outras complicações, como perda de visão e olho seco e para explorar ainda mais a segurança e o risco de complicações.