Novo estudo examina deficiências visuais pós-acidente vascular cerebral

Um novo estudo da Universidade de Liverpool, publicado no Brain and Behavior, examina a ampla gama de deficiências visuais desenvolvidas por sobreviventes de AVC.

Aproximadamente 65% dos sobreviventes de um AVC agudo desenvolvem deficiência visual que tipicamente se relacionam com deficiências de visão central ou periférica, anormalidades nos movimentos oculares ou defeitos perceptuais visuais.

“Os sintomas podem incluir visão desfocada ou alterada, visão dupla ou confusa, perda de campo visual, dificuldade de leitura, incapacidade de reconhecer objetos ou pessoas familiares”, afirma o oftalmologista Virgílio Centurion, diretor do IMO, Instituto de Moléstias Oculares.

“A deficiência visual pós-acidente vascular cerebral  é atualmente uma área muito pesquisada. No entanto, a gama completa de deficiências é atualmente desconhecida”, explica a neuro-oftalmologista do IMO,  Márcia Lucia Marques.

Para avaliar a gama completa de transtornos visuais, pós AVC, os autores do estudo examinaram os formulários de seleção / consulta de deficiência visual de 915 pacientes pós-AVC de 20 hospitais. Os pesquisadores descobriram que, em média, os pacientes, após o AVC, levaram 22 dias para passar por uma avaliação visual.

Uma vez avaliados, 92% apresentaram uma deficiência visual, dentre estas:

  • 24% tinham menor clareza de visão (acuidade visual central);
  • 16% daqueles com deficiência visual desenvolveram um estrabismo (estrabismo);
  • 68% apresentaram comprometimento na forma como seus olhos ou olhos se moviam (distúrbios da motilidade ocular);
  • Perda de campo visual periférica estava presente em 52%;
  • 15% desenvolveram uma condição que os faz ignorar tudo de um lado do mundo visual. A condição, conhecida como desatenção visual, geralmente afeta pessoas que tiveram um acidente do lado direito e ignoram as coisas no lado esquerdo;
  • Em geral, 84% foram visualmente sintomáticos com perda de campo visual, a queixa mais comum seguida de visão borrada, dificuldade de leitura e diplopia.

Ampla gama de distúrbios

As opções de tratamento foram fornecidas a todos com deficiência visual confirmada. O aconselhamento específico foi geralmente fornecido juntamente com a refração e a oclusão.

“Há uma grande variedade de distúrbios visuais que ocorrem após acidentes vasculares cerebrais e, com frequência, com sintomas visuais. Existem igualmente uma grande variedade de opções de tratamento disponíveis para esses indivíduos. A pesquisa destaca o fato de que todos os sobreviventes de AVC requerem rastreio precoce para deficiência visual e justifica-se o encaminhamento para avaliação especializada e tratamento direcionado específico para o tipo de deficiência visual”, destaca Márcia Marques.