Uso das lentes de contato

Quatro em cada dez pessoas que fazem uso das lentes de contato não as substituem dentro do prazo recomendado revelou uma pesquisa realizada no Canadá, envolvendo 1.654 pessoas. Outro problema recorrente, segundo os pesquisadores, é que os usuários não as limpam de maneira adequada. Os entrevistados usavam diversos tipos de lente de contato, em especial, as lentes de silicone hidrogel, que permitem maior oxigenação das córneas, mas devem ser descartadas diariamente, em duas semanas ou em um mês, no máximo.

Os mais descuidados foram os pacientes que usavam as lentes de descarte quinzenal: 59% deles admitiram usar o produto por mais tempo do que o preconizado. Segundo o estudo, as duas justificativas mais comuns para o uso inadequado das lentes foram o esquecimento e o custo dos produtos.

Há poucos trabalhos brasileiros sobre o uso incorreto de lentes. Mas os problemas observados no Canadá se repetem por aqui também… Um destes estudos chegou perto dos resultados canadenses: quase metade dos pesquisados disse usar as lentes de contato por mais tempo do que o recomendado. O sucesso na adaptação e no uso de lentes de contato depende de um conjunto de fatores.

A prescrição médica e o acompanhamento do oftalmologista constituem-se nos elementos primordiais deste processo. Em seguida, destaca-se a adesão do paciente ao tratamento. Hoje, no Brasil, cerca de 2 milhões de pessoas – 1% da população brasileira – são usuárias de lentes de contatos. Deste percentual, 28% são homens, 72% mulheres.

Durante o processo de adaptação às lentes de contato, o oftalmologista deve ser minucioso nas instruções fornecidas ao paciente sobre limpeza, conservação e troca das lentes. Além de fornecer as orientações necessárias, o oftalmologista deve se certificar da perfeita compreensão do paciente e, em cada consulta, verificar seu conhecimento e conduta, assegurando a adesão às recomendações e a prevenção de complicações.

Os problemas decorrentes do uso de lentes de contato são consequência da falta de observância aos cuidados relacionados à limpeza, desinfecção e conservação das lentes. A lente no olho do paciente está em contato com restos celulares, partículas oriundas do meio ambiente, substâncias químicas, gasosas, líquidas, proteínas, lipídios, componentes inorgânicos, além de produtos cosméticos. Todas essas substâncias podem aderir à lente, reduzindo o conforto e a tolerância do usuário, bem como a vida útil da lente.

Como decorrência do uso inadequado, o problema mais frequentemente relatado pelos pacientes que usam lentes de contato é a alergia. Os agentes causadores da reação alérgica podem ser as próprias lentes, produtos de limpeza, conservantes, proteínas e resíduos que aderem à lente.

Limpeza adequada das lentes

O hábito de substituir as substâncias específicas – solução multiuso – por soro fisiológico, na limpeza das lentes de contato, pode levar a infecções ou alergias nos olhos. O uso errado é comum, tanto por desconhecimento sobre os riscos da substituição, quanto pelo preço muito superior do produto específico. Há muito tempo atrás, os produtos para desinfecção de lentes de contato eram tóxicos para os olhos e, por isso, recomendávamos aos pacientes que enxaguassem as lentes com soro.

Hoje, estes produtos evoluíram muito, não oferecem mais riscos para a saúde ocular. Portanto, não há porque insistir na utilização do soro. É importante que o usuário de lentes de contato saiba que o soro fisiológico não limpa, nem desinfeta a lente, propiciando o acúmulo de bactérias, gordura e proteínas. Com isto, pode haver alteração na superfície da córnea, úlcera de córnea e até perda de visão.

Além de não desinfetar corretamente as lentes, o soro propicia problemas: a maioria dos que são vendidos em farmácia contém substâncias químicas que podem ser tóxicas. As lesões na córnea causadas por lentes contaminadas são uma das principais indicações de transplante de córnea entre jovens. A recomendação mundial para evitar problemas é limpar e conservar as lentes com soluções multiuso.

Dicas para uma higienização correta

Veja as recomendações do corpo clínico do IMO sobre como deve ser feita a higienização:

1) Lavar bem as mãos com água e sabão antes de retirar a lente do estojo;

2) Enxague-a com uma solução multiuso (própria para esse fim) e coloque no olho;

3) Na hora de retirar, lave bem as mãos e coloque a lente no meio da palma da mão. Espirre um pouco da solução multiuso, esfregue suavemente com o dedo indicador, removendo os depósitos de sujeira que ficam aderidos à superfície. Enxague novamente;

4) Guarde a lente no estojo totalmente submersa na solução multiuso;

5) Quem usa lentes de contato com freqüência deve repetir o procedimento acima diariamente. Se a utilização for eventual, limpe e troque o líquido do estojo pelo menos uma vez por semana.