Tratamento do glaucoma com laser é mais bem sucedido

Um estudo publicado no Reino Unido sugere que a trabeculoplastia seletiva a laser deve se tornar o principal método para tratar pacientes com glaucoma no futuro. A pesquisa, publicada  no “The Lancet“, diz que a trabeculoplastia seletiva a laser deve ser oferecida como tratamento de primeira linha para o glaucoma, substituindo a prescrição de colírios para baixar a pressão intraocular. O estudo revelou que a técnica não é apenas mais eficaz e segura, mas também pode baratear os  custos do tratamento do glaucoma.

Segundo os autores do estudo, a trabeculoplastia seletiva a laser é um tratamento seguro, sem dor, funciona melhor que os colírios prescritos atualmente, além de custar menos que os mesmos.   “O laser também pode libertar os pacientes da tirania de pingar diariamente os colírios de tratamento, atividade que deve ser realizada pelo resto da vida, e que também podem produzir efeitos colaterais. Dentre os efeitos colaterais associados aos colírios antiglaucomatosos estão riscos maiores de desenvolver catarata, redução da pulsação e fadiga”, afirma  o oftalmologista Virgílio Centurion, diretor do IMO, Instituto de Moléstias Oculares.

O glaucoma é uma das principais causas de cegueira no mundo. A maioria dos pacientes com a doença recebe a indicação terapêutica de usar  colírios. Estes medicamentos ajudam a drenar de forma mais eficaz os fluídos dentro dos  olhos. No entanto, os colírios devem ser administrados todos os dias. Por outro lado, a  trabeculoplastia seletiva a laser é um tratamento relativamente novo que pode ser realizado em uma clínica ou em um hospital, em regime  ambulatorial, em cerca de 15 minutos. O paciente senta-se na frente de um dispositivo semelhante a um microscópio e olha para ele. Cerca de 100 pequenos pulsos de laser são enviados aos olhos.

Os resultados do novo estudo

Os pesquisadores publicaram um estudo de três anos envolvendo 718 pacientes que haviam sido diagnosticados com glaucoma de ângulo aberto, divididos em dois grupos: 356 passaram pela trabeculoplastia seletiva a laser e 362 receberam colírios nos olhos. Em seguida, eles compararam a eficácia dos tratamentos. Depois de 36 meses, 74% dos indivíduos da primeira turma não precisavam mais aplicar nenhum medicamento diariamente. A pressão intraocular dos participantes que recorreram ao laser estava adequada em 93% das visitas ao médico, enquanto o índice dos colírios ficou em 91%.

“Os resultados demonstram claramente que os pacientes que receberam a trabeculoplastia seletiva a laser apresentavam pressão ocular melhor e mais estável. Houve também menos necessidade de cirurgia de glaucoma e extrações de catarata”, explica a especialista em glaucoma do IMO, a oftalmologista Márcia Lucia Marques.

A trabeculoplastia seletiva a laser também tem implicações importantes para as nações que não possuem serviços de saúde sofisticados. O tratamento a laser tem menos necessidade de acompanhamento ou prescrições contínuas de medicamentos.

Este estudo de referência tem o potencial de melhorar a vida de milhões de pacientes com glaucoma em todo o mundo. É o maior estudo deste tipo e os resultados mostraram que a trabeculoplastia seletiva a laser apresenta melhora significativa nos resultados do tratamento do glaucoma com redução de risco e custo.

“O colírio não deixa de ter seu mérito, até porque os resultados do estudo são parecidos do ponto de vista de eficácia. Entretanto, questões como a adesão ao tratamento, que exige treinamento e dedicação, podem atrapalhar sua ação. É  importante dizer que cerca de um quarto dos pacientes com glaucoma acaba precisando de mais de um tipo de colírio, depois de um tempo. A utilização de colírios com conservantes no tratamento de glaucoma é uma causa frequente de olho seco. Nesse sentido, as alternativas terapêuticas são muito bem vindas”, afirma Marcia Marques.